top of page
UMA COMUNIDADE, UM FUTURO!

Entrevista com João Rodrigues - IZIWELL

Como nasceu o seu negócio?


O negócio nasceu das necessidades do mercado.


Um dia recebo um telefonema de um amigo que trabalhava numa empresa junto à AutoEuropa Palmela. A empresa tinha encomendado o desenvolvimento de um protótipo, uma placa de eletrónica a uma empresa exterior, mas o protótipo teimava em queimar. Então o meu amigo acreditava que eu ia conseguir resolver o problema.


Eu olhei o protótipo e disse: “eu faço isto mais barato”.


O problema era que eles estavam com urgência na solução, eu como sou um otimista incurável disse-lhe que em 24 horas teria a solução. E assim foi, não dormi, mas cumpri a minha palavra e ainda hoje são meus clientes.


Mais tarde, o meu primo que era bombeiro e que também fazia parte da direção apresentou-me vários desafios, mas houve um que me pareceu muito interessante, desenvolver electrónicas com uma interface táctil para ambulâncias e camiões de combate a incêndios.


Fomos apresentar a solução a fabricantes de ambulâncias e camiões. Propusemos apresentar esses protótipos na feira SEGUREX-2017 “Salão internacional da proteção, segurança e defesa” na FIL-Lisboa feira bienal.


A feira foi um sucesso e as duas empresas a quem apresentamos os protótipos ficaram nossos clientes.




Foto: FIL Segurex-2017 electrónica ambulância e electrónica touch-screen camião de combate a incêndio.




Foto: Camiões de combate a incêndio


A partir de uma recomendação de clientes fomos contactados para criar domóticas próprias para os quartéis de bombeiros.



Foto: Domóticas Bombeiros de Lordelo e Bombeiros Famalicenses.


O que a fez concretizar em Azambuja?

A empresa nasceu em Sines onde tem uma unidade própria na zona industrial ligeira nº2, os nossos clientes estão na sua maioria no Norte e alguns na zona de Lisboa. Por essa razão, senti que necessitava estar mais perto de Lisboa e Norte. Outra razão muito importante é o recrutamento de pessoas e talentos especializados. Acredito que as empresas para terem sucesso necessitam ter pessoas talentosas. O nosso negócio é de alta tecnologia e desenvolver e criar soluções exige recrutar os melhores e isso só é possível onde existem mais pessoas e a Azambuja está junto à grande Lisboa. Existe uma razão familiar e pessoal que me levou a ficar em Azambuja, bem como os acessos de comboio, a proximidade da autoestrada, o custo de vida, a qualidade de vida oferecida e muitas e muitas razões que se somaram à escolha por Azambuja. Quero também agradecer à Camara Municipal da Azambuja pela forma como acolheram o nosso projeto e claro ao HubsLisbon Azambuja.



Foto: João Rodrigues Azambuja 2023


Quais os maiores obstáculos que teve de enfrentar? Na verdade, não poderei dizer que tenha encontrado grandes obstáculos na vinda da empresa para a Azambuja, no entanto, a Câmara da Azambuja não tem oferta de terrenos para construção de armazéns a custos acessíveis. Encontrar um local para construir é um desafio presente. Neste momento estamos em instalações provisórias. Que tipo de espaço ambiciona criar? Pretendo construir um espaço tecnológico muito agradável que favoreça a criatividade pois os nossos produtos e serviços dependem disso. Em poucas linhas, o que tem o seu espaço de diferenciador? À semelhança das grandes empresas como a Google ou a Apple e outras empresas tecnológicas valorizamos o espírito humano. O que acha que Azambuja, pode ainda fazer para ser um melhor Concelho?

Seria muito interessante ter zonas industriais para instalação de empresas com condições muito favoráveis. Como vê o seu negócio daqui por alguns meses? Vejo de forma muito positiva, estamos a viver momentos históricos com grandes oportunidades, vejo claramente uma evolução em termos de faturação e crescimento da equipa. Quer dizer alguma coisa a quem tem o sonho de ter o seu próprio negócio? O sonho comanda a vida, devemos sonhar com o olhar nas estrelas, mas ao mesmo tempo com os pés em terra firme. Devemos servir necessidades reais, ajudar a resolver problemas com melhores soluções e mais baratas, fazer o impossível ser possível.

73 views0 comments

Comments


bottom of page